Quarto escuro

Texto de minha autoria, espero que gostem. 



O relógio bate as duas
Convido-o a entrar

Você entra sem dizer nada e observa cada móvel, cada objeto, cada cantinho da casa que antes era um sonho, um desejo que consegui realizar. Conto como o sofá era desconfortável, como os armários eram brancos sem vida, como as cadeiras eram duras e frias, como as flores eram de plástico e eu as regava mesmo assim.

Me jogo na minha cadeira Klein sentindo ela me abraçar, giro 360º e aponto para as minhas medalhas e troféus expostos na parede, vejo a admiração em seus olhos e sorrio imediatamente, não me canso de admirar cada metro quadrado da casa. Me lembro de como era antes, penso no que não se tornou e noto como está agora, sei que faltam alguns reparos, mas aos poucos ela ficará completa.

Jogamos conversa fora
contamos piadas
rimos bastante 
até que as gargalhadas se dissipam 
e percebo que chegou a hora.

Conduzo-o as escadas, descemos sem dizer uma palavra, a cada passo o caminho fica mais escuro, os degraus mais estreitos, as paredes nos pressionam, nos obrigando a andar em fila indiana.

Ao final das escadas há uma porta, preciso de ajuda para abri-la, adentramos ao quarto mal iluminado. Começo a tremer, não sei se por medo ou frio. Tento regular a temperatura, mas não consigo, tento acender a luz, mas as lâmpadas estão queimadas. Nada funciona, esse é o único quarto que não consigo arrumar, por mais que eu tente.

Pego um banquinho para você se sentar, pedindo mentalmente desculpas por não ter uma segunda cadeira. Você não se incomoda, mas o quarto se incomoda. 

Novos olhos observam as paredes
novos pés tocam o chão

O ar fica mais pesado, eu não consigo respirar, tenho de me apoiar na parede úmida antes de continuar.

Pego os álbuns e te mostro um a um, uns são mais antigos, outros mais recentes, deixo você os abrir e ver cada foto, cada detalhe. Viro a cabeça para o outro lado, não quero olhar, não quero tocar, não quero me machucar, mesmo você manuseando com cuidado e me perguntando se pode avançar a cada página dói muito, sinto meu corpo ficar mais encolhido, penso quando isso vai acabar, se eu quero mesmo avançar, mas é preciso.

Ofereço um café, cambaleante vou até a pia improvisada, percebo que não tem água, aproveito as minhas lágrimas para diluir o pó escuro, você parece não se importar com o gosto amargo do líquido.

Juntos abrimos uma velha caixa, nela há várias tintas e máscaras que já usei ao longo dos anos, algumas intactas, outras quebradas, lentamente tiro a máscara que estou usando e a deixo em cima da mesa empoeirada. 

Prevejo um “oh!” de espanto, 
mas você permanece indiferente, 
como se eu fosse a mesma de antes, 
como se isso não importasse, 
como se eu fosse normal.

Sozinha abro outra caixa. Te mostro a faca, a pílula e a agulha, estendo os braços e mostro as cicatrizes, mostro as cartas nunca enviadas, as cartas nunca escritas, ao invés de me repreender você apenas me observa com seus grandes olhos esperando o próximo passo, nem eu sei o próximo passo! Eu estou tão perdida... 

Abaixo a cabeça e começo a chorar, lágrimas de medo, alívio, vergonha e conforto escorrem pelas minhas bochechas molhando minhas roupas, as máscaras, os álbuns... lágrimas que finalmente se cessam. Ergo a cabeça e respiro fundo antes de abrir os olhos. O quarto parece estar mais claro e limpo, o ar mais leve, a temperatura mais amena. 

Limpo o rosto e pisco várias vezes, 
me pergunto o que você fez enquanto estive em transe.

Ficamos um tempo em silêncio até que você coloca a mão no meu ombro e diz “obrigado”, de repente várias emoções e pensamentos conturbados dominam meu ser e tento me apegar em um especial: a esperança.

Há ainda muitas caixas para abrir, algumas são pequenas, outras maiores, algumas vou precisar de ajuda e outras só o tempo abrirá. 

Peço paciência, 
você compreende 
juntos fechamos a porta do quarto 
e subimos as longas escadas 
que nem parecem ser mais tão longas assim. 

Cobertura: 24ª Bienal do livro em SP


Há exatamente uma semana o tão querido evento aguardado por vários leitores se encerrou. Tive o prazer de comparecer ao evento no domingo (dia 28) e sábado (dia 3) e devo dizer que na minha opinião essa foi a melhor bienal que eu já fui! 

Sorteio: Ingressos 24ª Bienal do livro em SP


Quem aqui está ansioso para a Bienal? \o/

O Grupo Pensamento cedeu um par de ingressos para ser sorteado aqui no blog, para participar basta seguir basta preencher o formulário do rafflecopter corretamente. Boa sorte ;D


a Rafflecopter giveaway

Observação:
  •  Os ingressos dão direito a visita única apenas nos dias 29,30, 31/08 ou 1/09
  • A promoção se encerrará dia 24/08
  • O vencedor terá apenas 2 dias para responder o email com o endereço de entrega, portanto esteja atento. 

Cantinho da Val ~ Desista de mim



Desista de mim
Desista de mim, sou complicada demais para que alguém insista.
Desista de mim, sou estranha demais para ser compreendida. Se nem mesmo eu me entendo, como tu poderias tentar me entender?
Desista de mim, sou um poço de confusão e não sei se quero mudar, sou calmaria, mas também posso ser furacão, então desista de tentar me moldar.
Desista de mim, não sei se um dia conseguirei me revelar a ti por completo. Sou inconstante demais para isso.
Sabe, você tem esse olhar enigmático, esse sorriso dissimulado... Me olha como se fosse capaz de despir até mesmo minha alma. E tenho medo que um dia desses consiga, por isso te peço: desista de mim...
Desista antes que seja tarde demais... Se eu me apaixonar serás capaz de me conter em meus dias de fúria? Suportarás meus dias de melancolia? Ou me abandonarás ao primeiro sinal se que algo está fora do lugar?
Insisto, desista de mim. Sou aventureira demais para me prender a alguém, mas e se um dia eu resolver criar raízes, estará do meu lado por toda vida? Ou desistirá da garota chata que acabei por me tornar?
Tua beleza é tão peculiar, tens um senso de humor capaz de alegrar até mesmo meus dias mais sombrios... Teu olhar de alguma forma me prende e nem consigo mais disfarçar...
Talvez por ti eu seja capaz de me apaixonar, talvez até me apegar... Mas não daria certo, ou daria certo demais, seja como for, tenho medo, já sofri demais.
E por esses e outros motivos te peço que desista, antes que seja tarde, antes que não possa voltar atrás...

Top 5: Melhores livros do 1º semestre de 2016

Boa tarde leitores, tudo bem? A colunista Valéria fez uma lista de melhores livros que ela já leu neste ano de janeiro até junho. Confiram as indicações: 

Título: Para todos os garotos que já amei
Autora: Jenny Han
Comentário da Val: GENTE, QUE LIVRO LINDO É ESSE? Ganhei ele de presente de um amigo muito especial, e não poderia ganhar algo melhor! Esse livro conta a história de Lara Jean, uma menina que escreve cartas quando pretende esquecer o garoto do qual está gostando, mas nunca envia as cartas, deixa-as sempre guardadas e sua vida vai muito bem, até que... Essas cartas simplesmente desaparecem!





Título: A menina que roubava livros
Autor: Markus Zusak
Comentário da Val: Acredito que a maioria conheça esse livro, quem não leu, ao menos já ouviu falar. Ele retrata a Alemanha da 2º guerra mundial, mostra o sofrimento dos judeus, mas também o sofrimento dos alemães. Não há como negar que é uma história triste, mas que nos transmite grandes lições. Eu costumo fugir desse tipo de livro, mas depois de terminar a leitura vi o quanto valeu a pena cada página lida.





Título: Para sempre Alice
Autora: Lisa Genova
Comentário da Val: Um retrato comovente de uma paciente com Alzheimer. Alice é uma renomada professora de psicologia da universidade de Harvard e tudo está em seu devido lugar até que Alice começa a esquecer algumas coisas aparentemente sem importância e acaba por ser diagnostica com Alzheimer de instalação precoce.
Uma das histórias mais tristes que já li, mas também uma das mais bonitas e encorajadoras. Ao mesmo tempo em que te encanta te faz refletir e mesmo em cenas tristes sentimos uma pontinha de esperança. Esse livro é diferente dos outros de seu gênero por mostrar o lado do paciente, o quanto ele sofre e não o lado da família.

Título: Vinci
Autora: J.C.
Comentário da Val: Sabe aquele livro que você lê em um dia, mas que te conquista pra vida toda? Vinci é esse livro! Uma leitura leve, que encanta, emociona, te faz refletir... Livro curto em páginas, mas imenso em aprendizado. Simplesmente um sonho. Se um dia eu tiver uma menina com certeza darei esse livro de presente a ela.








Título: A fera em mimAutora: Serena ValentinoComentário da Val: Uma adaptação da história mais linda da Disney: a Bela e a Fera. Esse livro é diferente de tudo o que você já leu, não é apenas mais um romance clichê mostrando que o que importa não é aparência e sim o amor. A fera em mim, conta a história do como o Príncipe virou Fera e como foram os anos que antecederam ao seu encontro com Bela. Nem preciso dizer que sou apaixonada por tudo o que envolve “A Bela e a Fera”. Leio ou assisto qualquer coisa que tenha sido inspirada nesse conto de Fadas.





E aí gostaram? Já leu alguns desses livros? Quais os melhores livros lidos por vocês esse ano? Deixe nos comentários. Até a próxima e beijos da Val.


Promoção: 3 anos de Confraria Cultural


Boa noite meus leitores, tudo bem com vocês? O Confraria Cultural me convidou a participar da promoção de aniversário do blog. Como vários blogs também estão participando então achamos melhor dividirmos os prêmios em 6 kit's:

[Resultado] Top Comentarista de junho


Bom dia leitores, tudo bem? Preparados para o resultado? =D

Primeiramente quero agradecer a todos os participantes. Tivemos 8 leitoras que comentaram em TODAS as postagens do mês, totalizando o máximo de pontos!!!

Infelizmente não tenho oito exemplares, por isso organizei as oito leitoras em ordem alfabética para sortear o livro entre elas:

1- Ana Carolina
2- Aparecida
3- Cristiane Dornelas
4- Luciane Eleoteria
5- Maria Fernanda
6- Naty Araujo
7- Paola Maisi
8- Victória Maciel

E a vencedora foi...